Quem pode fazer o que?
0 (0)

Administro um ambiente que tem +/- 120 usuários de SQL,,, e dentro de uma das bases do ambiente tem uns 70 usuários, com permissões diferentes em objetos diferentes…

Eu precisava de algum script para mapear aquelas peculiaridades de alguém ter permissão de execute em uma proc,,, e select em outra tabela,,, ou quando alguém tem deny em uma view… mais por questão de documentação e ter uma baseline quando alguém faz alguma alteração de proc apagando e criando ao invés de dar alter com isso perdendo as permissões…

ai saiu um scrip mais ou menos assim:

SELECT
prmssn.permission_name AS [Permission],
sp.type_desc,
sp.name,
grantor_principal.name AS [Grantor],
grantee_principal.name AS [Grantee]
FROM
sys.all_objects AS sp
INNER JOIN sys.database_permissions AS prmssn ON prmssn.major_id=sp.object_id AND prmssn.minor_id=0 AND prmssn.class=1
INNER JOIN sys.database_principals AS grantor_principal ON grantor_principal.principal_id = prmssn.grantor_principal_id
INNER JOIN sys.database_principals AS grantee_principal ON grantee_principal.principal_id = prmssn.grantee_principal_id
WHERE
(SCHEMA_NAME(sp.schema_id)='dbo')
ORDER BY sp.type
go

ATUALIZAÇÃO – 06/12/2011

Existe também o sp_helprotect, ele faz basicamente a mesma coisa que o script acima. Você pode colocar o objeto na frente da proc e vai ter a lista de usuários com permissão naquele objeto, ou, apenas executar a proc e ela vai trazer a lista de permissões de todos os usuários em todos os objetos.

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

Um bom programa para quebra galho
0 (0)

Estava revirando uns arquivos no meu HD externo e achei um programa muito legal para

conexão ODBC.

Antes de falar do programa,,, a historinha…

Conheci uma vez uma empresa que o pessoal não deixava acessar o servidor com SQL por TS nem SSMS,,,

Perguntei pra eles como eu iria ajudar a identificar os problemas se não podia fazer muita coisa… me explicaram que era política da empresa, eu poderia acessar de qualquer outra forma, mas não poderia conectar meu note da rede nem instalar qualquer aplicativo na estação…

Foi com essa necessidade que conheci o ODBC QueryTool,,, ele é um programinha bem legal… de graça e funciona sem precisar instalar nada…

1_app

Você pode usar uma conexão existente de ODBC ou criar uma na hora…

2_connect

Como um quebra-galho para esse tipo de situação,,, acho que ele server para dar uma ajuda…

3_query

Você pode usar ele também para testar as conexões das estações cliente, com as restrições de usuário, restrições do SQL,,,

configurando o ODBC com as devidas informações, eu mostrei para um cliente como a aplicação iria se comportar com o fail-over das bases mirror.

Você pode baixar no site do SourceForge, ou no meu Skydrive, esse é um dos programas que vale a pena ter no pendrive.

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

T-SQL Tuesday #23 – Joins
0 (0)

Para o pessoal não ficar corrido entre escrever uns posts meia boca e se preocupar com os preparativos para o SQLPASS, o pessoal resolveu dar uma adiantada no T-SQL Tuesday desse mês,,,

Este mês ele é hospedado por Stuart Ainsworth (Blog | Twitter) e fala sobre joins..

Quer saber mais sobre Joins?

Vamos lá,,,

meu exemplo é bem simples,,, mostra os waits que estão acontecendo no SQL…

select
w.session_id,
w.wait_duration_ms,
w.wait_type,
w.blocking_session_id,
w.resource_description,
s.program_name,
t.text,
t.dbid,
s.cpu_time,
s.memory_usage
from sys.dm_os_waiting_tasks w
inner join sys.dm_exec_sessions s on
w.session_id = s.session_id
inner join sys.dm_exec_requests r on
s.session_id = r.session_id
outer apply sys.dm_exec_sql_text (r.sql_handle) t
where s.is_user_process = 1

Ele vai tentar associar a requisição ao wait.

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

TableDiff
0 (0)

Imagine a situação do post Corrompendo um Banco SQLmas na vida real,,,

Você chega um belo dia na empresa e, lê nos seus emails que, o SQL apresentou falha na estrutura de dados e algumas páginas de dados podem ter sido corrompidas,,,

Como um bom DBA, você corre para ver se o backup da noite foi feito, se os backups de transaction log também estão sendo feitos e descobre que sim,,,, todos os arquivos necessários para restaurar o banco estão lá,,,

Legal,,, mas,,, e agora? dependendo da utilização do banco você pode restaurar o backup da madrugada, os de log até o horário do problema e dali pra frente o que der pra fazer…

Em outros casos,,, você não pode se dar ao luxo de perder informação,,,,

Uma das formas seria executar o restore do banco em outro lugar, ou na mesma instância mas com outro nome, executar o checkdb e remover a página com problema e trazer a diferença dos dados,,, até aqui nada tão complicado,,, tirando o fato de se a tabela for muito grande, ou muito complexa e a query para mostrar essa diferença for muito complicado…

Para ajudar a resolver esse problema, o SQL possui uma ferramenta bem interessante chamada TableDiff.

O conceito dela é bem simples: Instância de origem, base de origem, tabela de origem, Instância de destino, base de destino, tabela de destino e o que você quer fazer…

Ex:

"C:\Program Files\Microsoft SQL Server\90\COM\tablediff.exe" -sourceserver MyServer1
                                                             -sourcedatabase MyDatabase1
                                                             -sourcetable MyTable1
                                                             -destinationserver MyServer1
                                                             -destinationdatabase MyDatabase1
                                                             -destinationtable MyTable2
                                                             -et DiffsTable

 

Nesse outro exemplo ele gera um arquivo com INSER/UPDATE/DELETE

"C:\Program Files\Microsoft SQL Server\90\COM\tablediff.exe" -sourceserver MyServer1
                                                             -sourcedatabase MyDatabase1
                                                             -sourcetable MyTable1
                                                             -destinationserver MyServer1
                                                             -destinationdatabase MyDatabase1
                                                             -destinationtable MyTable2
                                                             -et DiffsTable
                                                             -f d:\MyTable1_MyTable2_diff.sql

 

Simples certo? em teoria não é muito complicado…

Da pra deixar mais fácil? sim,,, com certeza…

O Sr. Mladen Prajdic (Blog | Twitter) desenvolveu uma interface bem interessante para ajudar na utilização do executável…

O link para download pode ser encontrado no post aqui, ou diretamente aqui.

O aplicativo é bem simples de usar, o ponto de atenção é que você precisa indicar onde está o executável do TableDiff.exe.

tablediffgui

Ele é bem auto-explicativo, pequeno e o principal,,, é de graça !!!

Vale gastar uns minutos para aprender a usar ele, vai que em um dia de emergência você precisa de uma ajuda rápida para solucionar um problema, ou ver a diferenças nas tabelas do seu logshipping….

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

Catalogar objetos
0 (0)

Esse código faz parte daquele tipo de código para gerar documentação.

Não faz nada muito complexo, apenas mostra o objeto, quem é dono, que tipo e quando foi criado.

SELECT   [NAME]          AS OBJECT_NAME,
           USER_NAME(UID)  AS OWNER,
           TYPE = CASE
                    WHEN XTYPE = 'u' THEN 'table'
                    WHEN XTYPE = 'c' THEN 'check constraint'
                    WHEN XTYPE = 'd' THEN 'default constraint'
                    WHEN XTYPE = 'f' THEN 'foreign key constraint'
                    WHEN XTYPE = 'fn' THEN 'scalar function'
                    WHEN XTYPE = 'if' THEN 'inline table function'
                    WHEN XTYPE = 'p' THEN 'stored procedure'
                    WHEN XTYPE = 'pk' THEN 'primary key'
                    WHEN XTYPE = 'tf' THEN 'table function'
                    WHEN XTYPE = 'tr' THEN 'trigger'
                    WHEN XTYPE = 'uq' THEN 'unique constraint'
                    WHEN XTYPE = 'v' THEN 'view'
                  END,
           CRDATE          AS CREATION_DATE
  FROM     SYSOBJECTS
  WHERE    XTYPE IN ('u','c','d','f',
                     'fn','if','p','pk',
                     'tf','tr','u','uq',
                     'v')
ORDER BY XTYPE

 

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

Gerador de Senhas
0 (0)

Esse é um código antigo que estava escondido no HD.

Bem simples e usual.

/*
Versao: 1.0
Data: 20100302
Por: Ricardo Leka
Site: https://leka.com.br
email: ricardo@leka.com.br
twitter: @bigleka
*/
/*
Gerador de Senhas
Pode gerar senhas com quantidades minima e maxima de caracteres
com numeros ou complexidade
*/
DECLARE
  @complex tinyint
  , @minlen tinyint
  , @maxlen tinyint  

SET @minlen = 4 --tamanho minimo da senha
SET @maxlen = 8 --tamanho maximo da senha
SET @complex = 4
-- 1 todas as letras minusculas
-- 2 inclui letras maiusculas
-- 3 inclui numeos
-- 4 inclui caracteres especiais

DECLARE
  @password varchar(12)
  , @len tinyint
  , @type  tinyint
  , @type2 tinyint

SET @len = 0
SET @password = ''
WHILE @len NOT BETWEEN @minlen and @maxlen
  BEGIN
    SET @len = ROUND(1 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * @maxlen), 0) + 1
  END
WHILE @len > 0
  BEGIN
    DECLARE @newchar CHAR(1)
    SET @type = ROUND(1 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * (@complex - 1)), 0)
    IF @type = 1
      SET @newchar = CHAR(ROUND(97 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 25), 0))
    IF @type = 2
      SET @newchar = CHAR(ROUND(65 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 25), 0))
    IF @type = 3
      SET @newchar = CHAR(ROUND(48 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 9), 0))
    IF @type = 4
      BEGIN
        SET @type2 = ROUND(1 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 3), 0)
        IF @type2 = 1
          SET @newchar = CHAR(ROUND(33 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 14), 0))
        IF @type2 = 2
          SET @newchar = CHAR(ROUND(58 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 6), 0))
        IF @type2 = 3
          SET @newchar = CHAR(ROUND(91 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 5), 0))
        IF @type2 = 4
          SET @newchar = CHAR(ROUND(123 + (RAND(CHECKSUM(NEWID())) * 3), 0))
      END
-- remove caracteres que podem ser confundidos com outros
    IF @newchar NOT IN ('b', 'l', 'o', 's', 'I', 'O', 'S', '0', '1', '!', '''', '.', ',', '/', '`', '\', '|')
      BEGIN
        SET @password = @password + @newchar
        SET @len = @len - 1
      END
  END
SELECT @password as Senha
Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

T-SQL Tuesday #21 – Depois arrumo esse código,,,
0 (0)

Dessa vez o anfitrião do T-SQL Tuesday é o próprio idealizador Adam Machanic (Blog | Twitter).

E de uma forma diferente, não é na Terça-feira,,, por quê?

Porque não importa, desde que funcione pode ser zuado mesmo,,, o tópico desse mês é sobre “mostrar seu código lixo para o mundo”,,,

Todo mundo já escreveu um código uma vez ou outra,,,, todo o DBA tem aquele conjunto de scripts que o ajudam a identificar alguns problemas, fazer um tunning, arrumar alguma coisa,,, E com certeza todo mundo tem aquele código que hoje, pega para olha e começa a dar risada de como é que teve coragem de fazer uma coisa como aquela…

Meu exemplo é bem simples, O código é horrível, demora demais mas, funciona,,,

Ele troca os dados de posição de uma coluna específica.

WITH cteTableTel AS (
    SELECT
        ROW_NUMBER() OVER (ORDER BY NEWID()) AS n,
        SOBRENOME
    FROM CLIENTES
    )
UPDATE CLIENTES
   SET ENDERECO = (
       SELECT ENDERECO
       FROM cteTableTel
       WHERE cteTableTel.n = CLIENTES.ID)
Esse código funciona, não é nada bonito, não é performático, mas para a necessidade de uma base de treino com dados reais ele ajuda bastante,,,
Se você percebeu ele tem um problema,,, sabe qual é?
Como você garante que todas as linhas da tabela de clientes realmente estão em uma sequencia? Você pode ter apagado algum registro uma hora ou outra,,, Logo, haverá cliente que o endereço não vai ser atualizado,,
Já sei, você nem reparou nesse problema,,, você deve estar pensando: “por que ele esta fazendo um update na tabela de clientes se ele está usando uma CTE?”, ou também, “Legal, ele está fazendo isso em uma tabela que tem algum tipo de ID e quando tem aquelas tabelas que não da pra usar nada de referencia?”
Como eu disse, ele não é performático, e eu nem tinha me atentado nesses detalhes na época,,,  Houveram duas situações que me refizeram rever esse código: o primeiro caso dos usuários que não tinham os dados alteradores e o último… ai com muita vontade resolvi reescrever,,,
E ele ficou mais ou menos assim:
;WITH cte AS (
    SELECT
        ROW_NUMBER() OVER (ORDER BY NEWID()) AS n1,
        ROW_NUMBER() OVER (order by SOBRENOME) AS n2,
        SOBRENOME
    FROM CLIENTES
    )
UPDATE c1
   SET SOBRENOME = c2.SOBRENOME
   from cte as c1
   inner join cte as c2
   on c1.n1 = c2.n2

Dessa vez não tem problema com o usuário sem o dado alterado, performance melhorada em quase 90% e pouco importa se a tabela em algum registro para referencia,,,

Eu comparei a execução dos 2 códigos em uma tabela com um pouco mais de  3 milhões de linhas e o segundo código demorou quase 4 horas para finalizar,,, já o primeiro código eu parei a execução dele depois de 2 SEMANAS executando.

Tenho códigos piores no meu repositório? claro que sim. Esse é apenas um exemplo de um dos piores que já fiz…

Qual é o seu? tem coragem mostrar?

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

T-SQL Tuesday #20 – Melhores Práticas
0 (0)

Neste mês o tema escolhido pelo Sr. Amit Banerjee (blog | twitter) foi: Melhores Práticas,,,

A algum tempo atrás escrevi um post com “Dicas para otimizar suas funções SQL”,,, vou adicionar algumas coisas que acho interessante com este post aqui.

  • Comentários,,,,

Lembra daquela procedure que fazia uma validação de alguma coisa em algum lugar ??? Lembra por que você declarou aquele campo bit no começo ??? Não? tem certeza que sabe? acha que era para alguma coisa importante?

Uma coisa que acho muito importante em todo o código, mas são poucas as pessoas que fazem direito e menos ainda as que fazem, é comentar o que ele faz,,,

Não custa muito adicionar algumas linhas com algum tipo de descritivo do que aquilo deveria fazer, quem fez, quando fez, qual a versão, algum exemplo,,,

Lembre-se: Uma hora ou outra o código pode precisar de manutenção,,, ela pode ser feita por você ou outra pessoa,,, em todo o caso,,, é sempre bom ter alguma coisa para te ajudar a lembrar,,,

Ex:

/*
Nome: usp_mostra_nome_base
Versão: 2.0
Data de criação: 11-07-2011
Data da última modificação: 12-07-2011

Autor: Ricardo Leka Roveri
Últuma modificação executada por: Ricardo Leka Roveri

Script:
Esta procedure server para listas o nome das bases existentes no sistema.

Exemplo
exec usp_mostra_nome_base

Versão 1:
Autor: Ricardo Leka Roveri

nesta versão a proc faz XYZ

Versão 2:
Autor: Ricardo Leka Roveri

nesta versão a proc faz XYZ ordenado por data de criação

*/

Outra coisa interessante seria comentar partes do código,,, não precisa escrever um livro do motivo que você está fazendo aquele join entre 20 tabelas mas, de uma forma clara, escrever o objetivo dessa bagunça,,,

  • NOLOCK,,,

Você é um fanático por NOLOCK? Legal,,, nada contra,,, mas se vai usar isso umas 40 vezes dentro de uma procedure porque você não declara ele como:

SET TRANSACTION ISOLATION LEVEL READ UNCOMMITED;

é legal, ajuda, mais simples pra você e para qualquer outra pessoa que veja seu código…

  • Lembrete,,,

Lembre-se:

A maior parte de vocês não desenvolve coisas pra vocês,,, vocês desenvolvem coisas pra outras pessoas usarem…

Não é porque na sua maquina tudo funciona direitinho que quando for para produção tem que funcionar,,, Você precisa testar,,, faça teste de carga… stresse sua aplicação até ela parar,,, 10,,, 100,,, 1000,,, acessos simultâneos,,,

Existem muitas ferramentas que fazem teste de carga. Ex.: JMeter, o próprio SQL Profiler, etc..

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

T-SQL Tuesday #19 – Disasters & Recovery
0 (0)

E ai? Blz? Neste mês para o T-SQL Tuesday o tema escolhido pelo Sr. (blog | twitter) foi Desastre & Recover…. Que tema chato,,, hehehe,,,

Muitas pessoas – administradores de rede, gerentes, desenvolvedores, dba´s acidentais, etc. – acham que banco de dados é a coisa mais simples do mundo, só serve pra guardar alguma informação e que aquilo vai fica sempre por lá. Esse pessoal não entende que se tem gente que é especialista em administrar banco de dados é porque por algum motivo obscuro isso é importante.

Muitos não dão valor ao trabalho do Administrador de banco até perder alguma coisa, uma boa galera acha que para manter um banco qualquer pessoa consegue, afinal, não tem muito trabalho pra fazer,,,

Ainda bem que existe esse tipo de gente,,, é ainda mais legal quando alguém me liga no meio da madrugada com aquela voz desesperada pedindo ajuda porque o servidor do banco (que era o mesmo do AD, Exchange, FileServer, DHCP) foi pro espaço e eles não estão conseguindo mais recuperar as coisas…

Muitas vezes vejo o pessoal falando sobre seus planos de backup, que contemplam X ou Y e blá blá blá,,, Mas quando pergunto qual o seu plano de recovery o pessoal olha torto e me mostra o plano de backup…

Pessoal,,,, entendam uma coisa,,,, plano de backup é bonito pra não passar feio na frente da diretoria,,, mas ter plano de recovery é o que realmente importa…

Uma coisa que pergunto pro pessoal é: “O quanto de dados você está disposto a perder?”, claro que quase sempre tenho a mesma resposta, ninguém quer perder nada,,,

Hoje em dia existem várias formas de se prevenir quando a perda de informação:

  • Backup
  • Cluster
  • Mirror
  • Log shipping
  • Replicação
  • Etc.

Claro que cada uma delas tem seus custos,,,

Manter os dados acessíveis é importante isso é disponibilidade,,, mas,,, e quando a casa caiu? Alguém aplicou alguma mudança no ambiente e apagou um monte de registro que não deveria? O storage deu rebuild da LUN e apagou todos os seus discos,,, o Windows deu tela azul…

Iai? É nessa hora que você vai descobrir que seu robô de backup não consegue ler as fitas,,, ou que o software de backup não fazia backup justamente daquela unidade ou base que você precisa… ou mais legal, quase todo o dia você cancelava a rotina de backup porque ela entrava no horário de produção, ai não fazia backup das principais bases…

Neste caso,,, parabéns !!! troca de cidade, apaga essa empresa do currículo, sai correndo,,,

Plano de desastre & recovery é igual a seguro de carro,,, você faz pra não usar,,, mas quando precisa e ele falha o que faz? Chora? Troca?

A pior coisa que pode acontecer em um momento de crise é o pânico. Mantenha a calma, com certeza vão ter pessoas desesperadas correndo que nem baratas tontas tentando qualquer coisa que lembrar ou encontrar na internet.

Lembre-se: você tem que ser assertivo, se você fez a lição de casa não existe situação que não pode ser contornada.

Seu supervisor/gerente/diretor tem que ter maturidade de segurar todas as buchas enquanto você se foca em colocar em ação o plano de desastre.

Uma dica, noticia ruim se dá na hora. Perdeu? Perdeu,,, não da pra recuperar? Já era? Avisa logo…

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

Quando foi que trocaram a senha?
0 (0)

Quando estamos no SQL Server (2005 ou superior), existem uma função que mostra algumas propriedades interessante sobre o login do SQL chamada LoginProperty.

Não conheço muitas aplicações que possuem interface que permite o usuário trocar a senha dele no SQL,,, mas achei interessante ter essa opção para saber quando alguém trocou a senha e “esqueceu” de avisar,,, ai tem aplicação que não abre,,, usuário que não loga,,, e quase sempre ninguém nunca fez nada….

Aqui vão alguns selects interessantes….

Mostra todos os logins que tiveram a senha trocada a mais de 30 dias:

 1: SELECT name, LOGINPROPERTY([name], 'PasswordLastSetTime') AS 'SenhaTrocada'
 2: FROM sys.sql_logins
 3: WHERE LOGINPROPERTY([name], 'PasswordLastSetTime') < DATEADD(dd, -60, GETDATE());

Mostra todos os logins que tiveram a senha trocada no último dia:

 1: SELECT name, LOGINPROPERTY([name], 'PasswordLastSetTime') AS 'SenhaTrocada'
 2: FROM sys.sql_logins
 3: WHERE LOGINPROPERTY([name], 'PasswordLastSetTime') > DATEADD(dd, -1, GETDATE());
Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]